Siga-me no Twitter em @vascofurtado

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Tecnologia da Informação e Segurança Pública

Quando escrevi o livro Gestão e Tecnologia da Informação em Segurança Pública em 2002 (clique aqui para maiores informações), tinha como um dos objetivos, o de alertar para o cuidado que se deve ter quando se realiza investimentos em Tecnologia da Informação (TI). Passados cinco anos, ao assistir às apresentações no Encontro Nacional do Fórum, conversar com muitos colegas de diferentes estados e mesmo com representantes da SENASP, sinto-me impelido a visitar novamente esse tema. Continuamos sem informações confiáveis para tomada de decisão e assim fica fácil perceber que continuamos aplicando mal os recursos ou tendo pouco retorno prático do que tem sido investido. Encontro muito frequentemente pessoas que me dizem que projetos de TI em suas organizações falharam porque um determinado software adquirido (normalmente em outra gestão!) não presta. O motivo menos provável de um fracasso de implantação de um software em uma Empresa é a qualificação deste software. Não estou dizendo que não existem softwares melhores do que os outros. Que não existem aqueles que são bons e os que são ruins. O problema é que ainda temos um fascínio pelas soluções tecnológicas que nos fazem pensar que ao adquiri-las teremos a solução para todos nossos problemas. Ledo engano. A implantação de qualquer tecnologia da informação em uma organização é um processo doloroso, demorado, caro e que exige qualificação gerencial, capacitação de pessoal, continuidade e muita, mas muita persistência. No contexto das organizações policiais brasileiras esses problemas são potencializados por alguns fatores: falta de cultura em registrar eventos precisamente, pressa na realização de procedimentos porque as demandas são sempre maiores que a capacidade atendimento, pouca capacidade gerencial e, principalmente, pouca qualificação do profissional de Segurança nas tecnologias de TI, além da pouca motivação do mesmo em aprendê-la. No outro lado, encontram-se empresas fornecedoras de tecnologia que muitas vezes também não tem a percepção destas dificuldades. A conseqüência disso é a abundancia de projetos parados, fracassados ou em descontinuidade, o que significa desperdício de tempo e de dinheiro (além obviamente de pouca eficácia da ação policial). Propor soluções para isso em tão pouco espaço como neste texto é impossível (não é a toa que pude escrever um livro todo sobre isso!). No entanto, queria atentar para uma questão geral. Qualquer projeto de compra e implantação de TI tem que vir acompanhando de um plano de implantação do sistema com métricas de sucesso bem definidas. Essas métricas devem exigir o comprometimento do fornecedor com o perfeito funcionamento do produto vendido, com a qualidade da informação que nele trafegará e com a qualificação do pessoal que o utilizará. Isto certamente minimiza o risco de fracassos embora não isente o gestor público de um processo rigoroso de monitoramento onde a tarefa de “convencimento” do público interno de que deve fazer a coisa certa é uma das mais relevantes.

2 comentários:

Fernanda C. Pedroso disse...

Sim, o ser humano não tem paciência, persistência e na maioria das vezes qualificação do profissional,
sobre produtos adquiridos de tecnologia da informação ,colocando a culpa neles.
A falta de um plano de implantação e a propaganda também influenciam muito pois assim eu sei mesmo como o produto funciona,
se funciona,e como ele está no mercado.
Navegando na internet esses dias atras de um PABX que me desse mais segurança, encontrei um interessante, que informa os numeros
discados, tem uma agenda centralizada e parece ser bem facil de usar.

Aos curiosos,encontrei no site http://www.safesoft.com.br/pabx/ .

Fer disse...

Olá,
Foi lançado recentemente um PABX capaz de integrar-se ao SKYPE, permitindo que telefones comuns possam fazer chamadas para contatos SKYPE ou para outros telefones através da rede SKYPE. As chamadas podem ser realizadas, atendidas, colocadas em espera, transferidas de forma extamente igual as da rede de telefonia convencional. O custo é muito baixo e se paga rápido, rápido.
Veja: www.safesoft.com.br/pabx/