Siga-me no Twitter em @vascofurtado

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Bebida para menores: um dever de todos



Quando estive em D.C recentemente, fui jantar com minha filha no Ruth’s Chris, um restaurante super agradável que sempre que posso visito nos EUA. Aliás, recomendo. Minha filha pediu uma bebida alcóolica (não lembro bem qual), uma espécie de coquetel. O garçom educadamente pediu que ela lhe mostrasse um documento de identidade para saber sua idade. Nunca tinha presenciado isso antes. Ela tem 22 anos e nos EUA bebida para menores de 21 são proibidas e eles levam isso muito a sério.

Minha filha disse-me que já está acostumada. Em todos os lugares em que vai e que decide beber algo sempre a solicitam a comprovação da idade. É isso que precisamos compreender que fortalece uma sociedade. Não entro no mérito de qual idade mínima é a adequada. O fato é que se a sociedade decidiu que menores não podiam beber com uma certa idade, não cabe exclusivamente às autoridades zelar pela manutenção da lei. É uma tarefa de todos.

Evidente que sabemos que os americanos são bastante rigorosos quando se trata de punir os que desobedecem  a lei, mas afirmo com certeza que a Polícia não sai entrando em restaurantes para dar batidas em buscas de menores bêbados. Isso na verdade é  inadmissível, pois feriria direitos individuais básicos e todos lá sabem disso. Seguem a lei porque concordam com ela e sabem que têm o dever de zelar por sua aplicação.

Nunca presenciei cena similar no Brasil. Quando era jovem também nunca fui proibido de ter acesso a bebida em lugar nenhum (se bem que não recorria a tal expediente com frequência J). Esporadicamente, vejo a movimentação do Ministério Público em festas como o Fortal e outras onde a presença de jovens é muito grande em busca de coibir o uso indiscriminado do álcool. É um exemplo claro de algo necessário, mas largamente insuficiente.

Reparem que estou a falar da nossa postura com relação ao uso de bebidas alcóolicas, mas o mesmo discurso vale para outros delitos e abusos que vamos nos acostumando a aceitar. Vide o problema crônico da prostituição infantil que nos é tão presente. E desta e outras vamos repetindo com vulgaridade o bordão de que Segurança Pública é dever de todos. Estamos entre esses “todos” ou não?  

Um comentário:

Leonardo Ayres disse...

a maioria dos bares que fui em nyc e no hawaii solicitavam minha ID. e olha que creio que nao aparento mais ter menos de 21 anos hehehe

Virou habito creio.